Impressões da Grécia em 1897

Desde da independência da Grécia em 1829 as relações grego - turcas foram quase sempre conflituosas. O Império Turco Otomano jamais deixou de tentar reconquistar os domínios gregos enquanto que os helenos almejavam uma posição de proeminência na península balcânica, suportada no apoio da diplomacia inglesa, francesa e russa que através deles combatiam o domínio turco nos Balcãs, nos estreitos de Bósforo e Dardanelos que controlavam a navegação entre o Mar Negro e Mediterrâneo. 1897 foi mais um ano de beligerância, consequência da disputa pela ilha de Creta. A opinião pública europeia apaixonou-se pela defesa da Grécia, berço da civilização ocidental em luta pelo direito à nacionalidade independente, valor bem caro ao espírito homem ocidental do século XIX.
.
Um jovem português de 18 anos, Furtado de Mendonça, movido pela mesma paixão decidiu dedicar-se à causa grega dando o corpo ao manifesto, ou seja, voluntariando-se para combater no exército grego. Parte com destino a Marselha, um importante porto de embarque dos cerca de 20. 000 voluntários para a Grécia, a maioria de 2ª geração dos emigrantes gregos na Europa Ocidental. Chega a Atenas a 5 de Maio de 1897, desiludindo-se com a primeira impressão da cultura ateniense, contrária à sua expectativa: «Que decepção a minha! Eu, que imaginava encontrar tudo de fustanella e saruguia, venho encontrar estes gregos trajados como qualquer lisboeta ou parisiense! Eu, que não tinha querido ouvir informações sobre Athenas, […] só para receber em cheio a impressão […] do seu aspecto clássico - sofro assim uma desillusão! Encontro tudo francez: cidade, hábitos, língua, vestuário - quando imaginava uma transição, mas com o seu carácter próprio da Europa, para a Ásia! O horrendo frac em logar da fustanella artística - eis a synthese da minha decepção.» (Mendonça, 1897, p. 26) Dois dias depois é enviado para a frente de batalha em Domokos, cerca de 80 km a nordeste de Atenas, não sem antes censurar a ociosidade patriótica dos habitantes da capital grega: «Com que altivez encaramos com os degenerados athenienses, que se ficavam saboreando o seu eterno café, emquanto que a pátria agonizava á falta de braços valentes e corações dedicados!» (Ibid., p. 29).

Furtado de Mendonça em traje militar. Fonte: (Mendonça, 1897)
.
.
Ao percorrer as paisagens da Grécia rural regista a pobreza dos campos e das populações: «As estradas são péssimas e até agora não encontramos mais que uma pequena vila. A planicie de Lamia é productiva mas mal cultivada. Grandes porções de terreno bravio alternam com pedaços de milho enfezado, pequenas searas de trigo, e leiras de tabaco.» (Ibid., p. 31). Quando chega ao acampamento escreve: «Domokos é uma pequena villa de construção turca, da qual ainda conserva três mesquitas, tão porcas quanto miseraveis, e cujos habitantes são tão repellentes e sordidos quanto as suas habitações. Presentemente está quasi abandonada, e só restam habitadas meia dúzia de fetidas espeluncas onde se vende tabaco, vellas de cebo e insupportavel vinho. […] As ruas só existem in nominé, porque não encontramos nas poucas travessas que compõem a villa de Domokos, mais que uma informe agglomeração de pedras, sobre que somos obrigados a passar com grave risco das nossas botas. […] As aldeias que circundam o nosso acampamento, bem como a villa de Agourinia, dão a medida exacta do estado de atraso em que se encontra a Grecia interior. Se se figurar um irregular agrupamento de cabanas, construídas de tecido vegetal e cobertas de colmo, podendo abrigar duzentas pessoas, ter-se-há uma ideia approximada da villa de Agourinia. Mal conhecem a cal, e mui pouco a agua.» (Ibid., p. 41-42). Reforça a sua impressão escrevendo: «O interior da Grécia é um paiz inculto e selvagem, sem estradas ou qualquer meio de comunicação. […] É admirável, e também desconsolador, ver abandono a que estes imbecis votam os belos terrenos com que a natureza dotou uma grande parte da Grecia. Até agora só encontrei culturas de trigo, milho, tabaco e pouco feijão.» (Ibid., p. 67-68)
.
Ao juízo pouco lisonjeiro da ruralidade grega junta-se-lhe a estranheza do relacionamento agressivo das populações locais para com os voluntários que arriscavam a vida em prol da pátria alheia. A falta de alimentos era problema mais grave para os militares, e os civis receando assaltos dos soldados famintos raramente os recebiam com benevolência. Esta situação provoca a crítica áspera à população civil: «Estamos pois em Asselanari, onde encontramos um grego, - único, até hoje - que nos forneceu gratuitamente, e com abundância, vinho, tabaco e rhum. […] De resto, teem-se portado com um egoísmo ou uma indifferença repellentes. A fome é grande e os mantimentos escasseiam por completo. Estes miseráveis gregos fugiram de nós como fugiriam dos turcos, escondendo algumas coisas que nos podiam ser uteis, levando outras consigo e estragando muitas - porque preferem isso a venderem-nol-as [sic] ou a que nós, por qualquer forma, nos apropriemos d’ellas! […] Os gregos são bêbedos, ladrões e incapazes de civilização.» (Ibid., p. 65). Ao mesmo tempo acusa-os de desinteresse em defender a própria pátria: «A guerra não os tem preoccupado: «quem a fez que a desfaça; se os turcos chegarem a Athenas, passaremos á Italia.» (Ibid., p. 89)
.
A 17 de Maio desfere-se a batalha de Domokos. O português foi atingido por uma bala turca mas o botão da farda salvou-o travando o projéctil. Os turcos saem vencidos mas os gregos não aproveitam o feito militar. Abandonam o campo de batalha, situação que indigna o nosso personagem: «Não conheço um facto analogo a este em toda a historia. Batemos o inimigo causando-lhe innumeras baixas, vencemos, e no fim abandonamos o campo, cuja conquista nos custou tantas mil vidas! Depois de vencer - voltamos as costas! É horrível!» (Ibid., p. 51) Horas depois é recebida a ordem de retirada e a 24 de Maio recebe a notícia do armistício. Foram 17 dias de participação no conflito passados a maior parte entre marchas de avanço e recuo. Neste período ocorreram dois episódios de beligerância com o exército turco, a batalha de Domokos e um pequeno combate contra um destacamento de soldados irregulares turcos.
.
Com a paz Furtado de Mendoça larga a pele de guerreiro e veste a de turista. Visita Kalcis, Atenas, Eleusis, Patras, Olímpia, Corfu. A impressão retida da Grécia monumental e urbana não é distinta da Grécia rural, pobre, abandonada e devastada pela guerra. No regresso à capital grega, descreve Kalcis deste modo: «Kalcis é uma grande cidade com bons estabelecimentos e hotéis. […] percorremol-a [sic] em todas as direcções, sendo bem recebidos» (Ibid., p. 84-85). Sobre Atenas diz o seguinte: «O aspecto da cidade tem o quer que seja de phantastico, sobretudo á noite. Pelas 8 horas fecham os estabelecimentos, e a ausencia ruido, a luz electrica e a do gaz, dão á cidade uma apparencia de encanto, que nos apraz extraordinariamente.» (Ibid., p. 88-89). Na viagem de retorno a Portugal pára em Corfu que o impressiona bastante: «O mais ideal, mais encantador panorama que uma ardente imaginação possa phantasiar, encontra-se realisado em Corfu. Nenhuma das cidades que conheço tem os encantos d’esta […].»
.
Concluindo, Furtado de Mendonça conheceu duas Grécias. A Grécia rural, devastada pela guerra, ingrata e até desumana, algo que provavelmente nunca imaginara quando se voluntariara para a defender. Testemunhou um povo acossado pela guerra, faminto e receoso, contra o qual teve de se defender em algumas ocasiões. Ao mesmo tempo contemplou a Grécia da paz, clássica, histórica, bem ao jeito do imaginário ocidental, o berço da civilização, de braços abertos para quem lutava por ela. Quando o voluntário português se despede do país onde esteve 34 dias entre a guerra e a paz, em jeito de balanço confessa: «Apesar de alguns contratempos e decepções que soffri - é com profunda magua que deixo a Grécia…Tenho d’ella boas recordações.» (Ibid., p. 130).
.
.
Bibliografia:
.
MENDONÇA, Furtado (1897) - Na Grécia: notas d’um estudante voluntário na guerra grego-turca. Lisboa: Livraria Ferin - editores

2 comentários:

Anónimo disse...

This book has been edited in Greece also.
110 years ago Furtado visit my fathers village(Agourinia) and fought for the Greek Idea.
Therefore for me is a Hero, and i will talk for him as long as i live.
May i be capable and someday, i wish i can rise a statue for him in Agourinia.
Eternal Glory to this Man
Congratulations for bringing it up!!!

Thomas
Greek Open University Student
"Hellenic Studies"

maria augusta disse...

Os gregos conhecem, nos não, e não se pode amar o que se desconhece.
Portugueses de curta, ou nenhuma, mem�ria