O padre liberal de Torres Vedras

O cura Manuel Inácio da Silva Lobo foi prior da paróquia de St.ª Maria do Castelo em Torres Vedras pelo menos entre os anos 1819 e 1825.
.
O documento que hoje divulgamos, existente no Arquivo Militar Histórico (cota: AMH 1/18/080/47), é demonstrativo de como Manuel Inácio da Silva Lobo foi um liberal convicto mesmo após a abolição da Constituição consequente do golpe militar da Vilafrancada em 1823. Trata-se de uma folha manuscrita por um paroquiano torriense anómimo e remetida ao Infante D. Miguel, na altura Comandante-chefe do Exército, com o título de Generalíssimo. A grafia é algo tosca, característica da ausência da prática do exercício da escrita. Em poucas linhas Manuel Inácio da Silva Lobo é denunciado como pedreiro livre e defensor da restauração da Constituição. O documento não está datado mas é provável ter sido redigido entre a Páscoa e o dia 13 de Maio de 1824, aquando da partida do Infante D. Miguel para Viena de Austria, algumas semanas depois do golpe da Abrilada.
.

Manuscrito anónimo denunciando as convicções liberais do padre Madeira Torres ao Infante D. Miguel. (Fonte: http://infogestnet.dyndns.info/infogestnet2007/Default.aspx )

Apesar de ser acessível à leitura no Arquivo Histórico Militar digital (pesquisar pelo URL na legenda acima) decidimos transcrever na integra o texto:

« Real Snr.

O Prior de Santa Maria de torres Vedras que esta agora na comicao de rever as leis he pedreiro livre e dice no pulpeto que a Constituicao he Santa e divina e no domingo da pascoa dice que a recurreicao de noso Senhor era com[o] a recurreicao da Constituicao»

1 comentário:

Rui Manuel C. Prudêncio disse...

Aquando da publicação deste post a 2 de Junho de 2008, pensou-se (e escreveu-se) que o prior da paróquia da Santa Maria do Castelo em Torres Vedras fosse o conhecido historiador local, o padre Manuel Agostinho Madeira Torres. Tendo Madeira Torres participado como deputado nas cortes Constituintes de 1820-1822, assentava no perfil político que o manuscrito anónimo denunciava ao Infante D. Miguel, caudilho da reacção contra-revolucionária.

No entanto, após consulta dos registos paroquiais no Arquivo Municipal de Torres Vedras, constatou-se que Madeira Torres não ocupava o cargo de prior de Santa Maria do Castelo em 1824,ano em que supõe ser datado o referido manuscrito. É o nome do cura Manuel Inácio da Silva Lobo que surge nos registos da dita paróquia, logo o objecto da denuncia do paroquiano.