A guerrilha de Torres Vedras na Guerra Civil da Patuleia (II)

Organizada e armada, a guerrilha de Torres Vedras (GTV), passa a movimentar-se fora do espaço geográfico do concelho. A 3 de Novembro o Governo Civil de Lisboa informa o Ministério da Guerra que as guerrilhas de Torres Vedras, Óbidos e Caldas da Rainha estavam reunidas no Sanguinhal a fim de concertarem acções conjuntas (carta de 3 Nov.). Numa outra carta datada de 13 de Novembro, o Governo Civil de Lisboa mostra-se bastante alarmado com a presença da guerrilha em Óbidos, comandada por um tal Mantas. Composta por 300 homens, muitos a cavalo, exerce uma acção intimidatória sobre os administradores dos concelhos ao exigir o envio de homens armados, cavalos e as receitas da cobrança da décima e da venda do tabaco e sabão. Sendo a sua localização bastante próxima da estrada de Alcoentre e de Rio Maior, via usada pelo exército para o transporte de víveres e munições, é considerada uma ameaça militar, bem como pelo facto de ter toda a liberdade de movimentos nas vias para a Lourinhã, Torres Vedras, Sobral de Monte Agraço, Arruda, até Vila Franca de Xira e Cabeça de Montachique (carta de 13 de Nov.). Pela dimensão pensamos que a guerrilha do Mantas seja o resultado da fusão das guerrilhas de Torres Vedras, Óbidos e Caldas, reunidas dez dias antes no Sanguinhal.
.
A 18 de Novembro a guerrilha do Mantas está em Rio Maior, de onde realiza algumas incursões ao concelho do Cadaval (carta de 18 Nov.). Aparentemente a GTV, na íntegra ou em parte, mais a guerrilha de Sintra separam-se da “mega” guerrilha do Mantas, pois o Anselmo Braamcamp, nomeado Governador Civil de Lisboa pela Junta do Porto, exige ao regedor do Cadaval que apronte 300 rações para os guerrilheiros de Torres Vedras e Sintra que aí chegam a 18 de Novembro à noite, provavelmente vindos de Rio Maior e sem a presença do comandante Mantas (carta de 21 Nov.). Anselmo Braamcamp tinha por missão cobrar e recolher o dinheiro das décimas e dos estancos (venda do tabaco e sabão), armas e cavalos, bem como nomear um novo administrador do concelho. Perante isto o administrador do concelho do Cadaval, fiel ao governo, apela à intervenção militar para libertar o concelho das demandas patuleias (cópia da carta do administrador do concelho do Cadaval, 21 Nov.). A 20 de Novembro as guerrilhas alojadas no Cadaval partem para Torres Vedras. Quatro dias depois chega ao Cadaval a coluna militar do coronel Lapa, vinda de Torres Vedras e Vimeiro, em perseguição à guerrilha instalada em Óbidos – Caldas, composta por 700/800 homens e desta vez comandada por D. Fernando, Conde de Vila Real (cópia da carta do administrador do concelho do Cadaval, 25 Nov.). No dia 26 de Novembro a coluna do coronel Lapa junta-se em Caldas da Rainha à coluna do major Joaquim Bento Pereira. Na véspera, as guerrilhas do Conde de Vila Real tinham recuado para Nazaré (cópia da carta do major Joaquim Bento Pereira, 28 Nov.)
.

Imagem da batalha de Torres Vedras ocorrida em 22/23 de Dezembro de 1846, da qual o exército governamental comandado pelo marechal Saldanha bateu as tropas patuleias comandadas pelo conde do Bonfim. Com esta vitória militar, a Estremadura ficou definitivamente liberta da acção das guerrilhas populares. TERRY, G. W., fl. ca. 1850?Torres Vedras [Visual gráfico / G. W. Terry ; [engraved by] D. Pound. - [S.l. : s.n., ca. 1850?]. - 1 gravura : aço, p&b ; 18x27 cm http://purl.pt/1110. - Data provável baseada em características formais. - Dim. da composição sem letra: 11,9x17,5 cm. (Fonte: Bibioteca Nacional Digital).

A 28 de Novembro o Governo Civil de Lisboa informa o Ministério da Guerra que o comandante Mantas estava em Torres Vedras a organizar um batalhão de voluntários (carta de 28 Nov.). Mas na mesma altura a GTV encontrava-se a operar na área de Caldas da Rainha - Nazaré, integrada na guerrilha do Conde de Vila Real. Na operação de perseguição da guerrilha, levada a cabo por um destacamento militar formado por 80 caçadores e 70 cavalos, deu-se o encontro entre os guerrilheiros torrienses e as forças do governo. Segundo o major Joaquim Bento Pereira, comandante da coluna de operações n.º 3, chegaram às 11 da noite a Pataias (Nazaré) os poucos elementos do “Batalhão Popular de Torres Vedras”, cujo comandante, dizia-se, era o administrador do concelho de Torres Vedras. Neste dia a GTV não se encontrava agrupada às forças do Conde de Vila Real, porque este na tarde do mesmo dia tinha partido de Nazaré em direcção à costa de Lavos. Aparentemente parte ou toda a GTV teria ficado para trás com a finalidade de destruírem as pontes do rio de S. Martinho. O major comandante relata que às duas horas [madrugada?], os guerrilheiros torrienses apercebendo-se da presença dos militares fugiram, garantido ao Ministro da Guerra: «[…] Posso afiançar a V. Ex. que todos os mancebos que eles tinhão obrigado a pegar em armas, illudindo-os com mil embustes, recolherão ás suas povoações, ficando reduzidas as grandes forças populares do rebelde D. Fernando a meia duzia de homens de Torres Vedras, e alguns officiaes, fugindo com tanto terror, que largão nas estradas as armas […]» (cópia da cópia da carta do major Joaquim Bento Pereira de 28 Nov.). Esta notícia constitui a última informação sofre a GTV na correspondência do Governo Civil de Lisboa para o Ministério da Guerra. Sabe-se no entanto que na batalha de Torres Vedras (22/23 de Dezembro) várias guerrilhas estavam incorporadas nas forças patuleias comandadas pelo Conde do Bonfim.
.
Embora a informação exposta seja fragmentária podem-se aferir determinados dados sobre a acção da GTV na Guerra Civil da Patuleia. As notícias do príncipio de revolta no concelho de Torres Vedras datam de 20 de Outubro. A formação da GTV deve ter ocorrido pouco tempo depois dessa data, a exemplo dos movimentos de Sintra, Óbidos e Caldas da Rainha. A GTV não constitui um episódio específico de Torres Vedras, fazendo parte de um fenómeno político de âmbito regional e nacional. Desconhece-se qual o envolvimento do administrador do concelho, pois a sua figura aparece associada pelo menos duas vezes às actividades guerrilheiras. Sociológimente os elementos disponíveis indiciam ser formada por trabalhadores rurais e alguns "mancebos", cujo nível de politização não é claro. As guerrilhas mostram-se extremamente dinâmicas, ora actuando isoladamente, ora em conjunto, controlando todo o território estremenho até à operação militar de 25 -28 de Novembro que as recuar para lá de Leiria.
.
.
Bibliografia:
.
BONIFÁCIO, Maria de Fátima (1993) -História da Guerra Civil da Patuleia, 1846 - 1847. Lisboa: Estampa
.
Fontes:
.
Arquivo Histórico Militar on-line (Da Guerra Peninsular à Regeneração) em: http://infogestnet.dyndns.info/infogestnet2007/Default.aspx
.
AHM/DIV/1/27/02/158 (Correspondência do marquês da Fronteira, governador civil de Lisboa, para o marquês de Saldanha, ministro e secretário de Estado dos Negócios da Guerra, sobre as acções da guerrilha em diversas localidades, nomeadamente, Porto, Braga, Chaves, Mirandela, Lamego, Leiria, Évora, Alenquer, Abrantes, Santarém, Óbidos, Caldas da Rainha, Alcobaça, Azambuja, Aveiro, Almada, Torres Vedras, Canha, Ericeira, Tomar, Coimbra, Torres Novas, Cadaval e Mafra).
.
AHM/DIV/1/27/02/208 (Ofício de Fernando Luis Pereira de Miranda Palha para o marquês de Saldanha sobre a entrega, forçada, de todo o armamento existente no Real Asilo de Inválidos em Runa a um grupo de guerrilheiros armados).
.
Nota: para aceder mais rapidamente aos documetos mencionados basta clicar aqui:

3 comentários:

paloma disse...

Bo día. Lein un artigo suo moi interesante sobre D. Manuel Caetano de Sousa. Estou facendo unha pesquisa de unha gramática de D. Luis Caetano de Lima equerí facerlle alguma consulta. Podería ponerme en contacto con vostede.desculpe a miña lingua porque non falo portugues. Obrigada. palomagalan@edu.xunta.es

Pedro Duarte disse...

seria muito interessante para mim que facultasse informação sobre o que veio o Conde DE Vila Real fazer a Lavos durante a guerra que fala.

Pedro Duarte
Lavos

Pedro Duarte disse...

pmigduarte@sapo.pt